terça-feira, 29 de junho de 2010

Falso pudim de leite condensado


Olá, tudo bem com vocês? Espero que sim.

Pois então, a vida continua corrida, mas pelo menos uma parte daquilo que eu precisava entregar já está pronta e agora eu posso começar a respirar mais tranquila. Obrigada pela força no post anterior!

Mas vamos lá. Tá certo que nesse período a cozinha de casa anda meio lenta, mas comida básica não falta, só a criatividade é que foi deixada de lado por pura falta de tempo. Mas este cenário irá mudar em breve, assim espero.

Só que quando eu vejo uma receita daquelas boas e que foram ensinadas em dois blogs deliciosos e ainda por cima de duas conterrâneas, eu paro tudo e corro pra cozinha, até porque se a querida Angela do Ora Pitangas e a doce Welze do Gostosuras sem Travessuras indicaram pra mim virou ordem!

E óbvio que elas estavam certas, porque o "falso" pudim de leite é tão bom, mas tão bom que agora vai aparecer sempre nos domingos lá de casa.

Confesso que já fiz duas vezes, mas na da segunda eu não sei bem porque ele ficou com um cheiro forte de ovo, mas na primeira vez, ele ficou perfeito e eu super indico!

Você pode conferir a receita da Angela (que foi quem publicou a receita primeiro) neste link aqui e a reprodução da Welze neste link aqui.

Mas também vou colocar aqui para que você possa anotar. A minha dica fica por conta de separar claras e gemas e peneirar bemmmmmmm a gema para tirar aquela película que deixa o cheiro forte no ovo.

Ingredientes:

- 500 ml de leite (usei desnatado)
- 2 pães de 30 gr. cada, sem a casca e caso seja muito pequeno utilize 3 (eu usei 2 grandes com a casca mesmo)
- 10 col. sopa de açúcar (coloquei colheres bem rasas)
- 4 ovos (eu peneirei)
- baunilha a gosto (utilizei 1 tampinha)

Para a calda:

- 1 xícara de açúcar
- 1/2 xícara de água

Preparo:

- Prepare a calda colocando o açúcar em uma panela para derreter. Quando estiver bem derretido adicione a água e espero que todo o açúcar se dissolva.
- Despeje a calda em uma forma de buraco no meio e reserve.
- No liquidificador bata os ingredientes do pudim e coloque na forma caramelizada.
- Leve para assar em banho maria por 35 minutos na boca do fogão (eu cobri com papel alumínio a forma e deixei 40 minutos no forno médio)
- Espere esfriar e leve a geladeira por no mínimo 4 horas.
- Desenforme e sirva.

Uma delícia! Tá vendo como Sorocaba tá cheia de cozinheiras de mão cheia? Essas duas blogueiras queridas valem ouro!!!

Beijos a todos,
Fla.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Ausência.


Esta sou eu! Literalmente se existe uma imagem que me define, é esta! Estou em um processo complicado dentro da empresa onde trabalho e por isso o tempo está ficando cada vez mais curto. Obrigações contábeis para entregar ao Governo e mesmo não sendo responsabilidade minha diretamente, se eu não fizer, ninguém vai fazer, então...



Até o final desta semana eu volto, com novidades e várias receitas!



Então, até breve. Beijos, Fla.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Improvisando um sanduíche de forno


E aí que você se prepara toda para fazer uma receita, compra os ingredientes para o recheio, corta e pica tudo, deixa tudo no esquema para quando você chegar em casa preparar aquele pratinho gostoso, só que no fim, nem tudo sai como você esperava, um dos ingredientes "falha" no momento mais importante e aí aos 45 do segundo tempo, você precisa improvisar o seu jantar, porque em 30 minutos seu marido vai chegar para jantar, e já está tarde para ligar em qualquer disk que esteja aberto na cidade.

Já passou por isso minha amiga? Eu passei um dia destes e fiquei num ódio que só vendo!

A ideia inicial era tentar reproduzir pela segunda vez a conhecida receita de "rocambole de massa de pastel" do Rainhas. A minha primeira tentativa foi meio frustrante porque ele ficou cru por dentro e não gostei do resultado. Mas como todo mundo faz e dá certo, resolvi tentar novamente, masssssss, não foi dessa vez ainda.

Uma semana antes, tinha ido ao mercado e aproveitei para comprar uma massa de pastel da marca VIGOR. Nada contra os produtos desta marca, porque os utilizo em casa e gosto bastante, a decepção foi apenas com a massa de pastel em rolo. A validade da bichinha era até julho, ou seja, estava longe de vencer, então, nada justificaria o grude que virou aquela massa.

Cheguei em casa, piquei os ingredientes do recheio, deixe tudo separadinho, porque assim, quando o marido estivesse para sair do trabalho, era só enrolar o rocambole e levar para assar. Quando ele chegasse já encontraria a mesa pronta e o jantar quentinho no forno.

Quando eu comecei a desenrolar a massa, ela quebrou toda! Ia soltando pedacinhos e nada do que eu tentei funcionou para soltar aquela bendita do plástico que a envolvia. Quando cheguei na metade do rolo eu desisti. Joguei a massa inteira fora, até porque ela estava esfarelando muito.

E aí, o que fazer com aquela quantidade de recheio enorme? Uma torta? Demoraria muito. Um arroz de forno? Não tinha arroz pronto. Aí abri meu armário e encontrei um pacote de pão de forma e não tive dúvida. Como eu não tinha nem molho, nem requeijão, incrementei com creme de leite. E assim foi. Não era a janta que eu queria, mas ficou gostoso.

De tanta bronca que eu fiquei, nem tirei as bordas do pão de forma...risos. Mas o preparo foi simples: Untei um pirex com margarina, coloquei uma camada de pão de forma, passei um pouco de creme de leite, coloquei uma camada de recheio (no meu caso presunto, queijo e tomate picadinhos temperados com orégano, sal e azeite) e fui repetindo as camadas terminando com uma do recheio. Por cima, despejei mais um pouco do creme de leite e levei ao forno para derreter o queijo.

Massa de pastel, não adianta, tem que ser daquelas vendidas na feira mesmo né?! Mas eu não desisti de fazer o rocambole. Aguardem...hehehe.

Beijos e boa semana,
Fla.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Lasanha de Berinjela


Duas berinjelas de dias na geladeira pedindo para serem usadas, 1 potinho com carne moída refogada e uma vontade louca de comer uma lasanha, os 3 elementos necessários para preparar esta delícia.

Não me canso de dizer que eu sou doida por berinjela. Faço de um tudo com essa belezinha, e nunca provei algo que não ficasse bom. Tem gente que acha que ela é amarga, e eu até hoje tô tentando procurar o "amarguinho" dela, porque pra mim é um dos legumes mais gostosos que tem.

Reza a lenda que a nossa amiga berinjela também ajuda no controle do colesterol, se é verdade ou não, se retirarmos o molho, o queijo e o presunto, vamos poder dizer que este é um prato mega saudável! Hehehe! Mas pensando pelo lado realmente positivo, essa lasanha engorda bem menos que a normal, porque não vai massa. (Tentativa de convencer o cérebro a ser light). =)

Chega de trololó (como diria minha amiga Lidiane) e vamos a receita. Dá um certo trabalhinho, mas óh, em 1 hora eu tinha minha lasanha assando no forno, então bora se animar.

Ingredientes: (rendimento 1 assadeira média, ou duas pequenas)

- 2 berinjelas grandes
- 300 gr. de mussarela
- 300 gr. de presunto

Para o molho vermelho:

- 350 gr. de carne moída (usei ponta de alcatra moída duas vezes)
- 1 caixa de molho de tomate
- 1/4 xícara de água
- 1/2 cebola grande picada
- 2 tomates sem semente picados
- 1 col. chá de pimenta síria
- Sal a gosto

Para o molho branco:

- 1/2 cebola picada
- 1 col. sopa de margarina
- 1 col. sopa de farinha de trigo
- 500 ml de leite (usei desnatado)
- 1 caixinha de creme de leite
- 1 pitada de noz-moscada
- sal a gosto

Preparo:

- Corte as berinjelas no sentido do comprimento.
- Em uma frigideira antiaderente, regue com um pouco de azeite e grelhe as fatias em fogo médio. Reserve. (Enquanto você faz este processo, já comece a preparar os molhos).

Molho vermelho:

- Em uma panela coloque um fio de azeite e refogue a carne moída.
- Quando estiver bem refogada adicione sal ou tempero pronto e a pimenta síria, deixe apurar um pouco e em seguinda coloque a cebola picada e deixe refogar até que ela fique transparente.
- Em seguida coloque o tomate, abaixe o fogo e tampe a panela até que o tomate comece a desmanchar.
- Depois junte o molho de tomate, a água e deixe apurar por uns 15 minutos. Corrija o sal, desligue o fogo e reserve.

Molho branco:

- Em outra panela derreta a margarina e coloque 1 fio de azeite.
- Junte a cebola e deixe fritar até começar a dourar.
- Coloque a farinha de trigo e mexa bem.
- Adicione o leite aos poucos mexendo sempre para não ficar grumos.
- Deixe no fogo baixo por aproximadamente 15 minutos. Após esse período, junte a noz-moscada, o sal e o creme de leite.
- Não fica um molho muito grosso, mas é importante só juntar o creme de leite quando a farinha estiver bem cozida, senão fica com um gosto ruim.

Montagem:

- Em um marinex coloque um pouco do molho vermelho, uma cada de berinjelas, presunto, queijo, molho branco, berinjela, molho vermelho, presunto, queijo, e assim, até terminar com queijo.
- Leve ao forno por 30 minutos.
- Antes de cortar espere esfriar uns 10 minutos para que ela não desmanche.




Eu servi só com um arroz branco fresquinho e uma saladinha de rabanete que eu amo. Mas você pode fazer uma bela salada de folhas para acompanhar. Ficou tudo de bom!

É isso, mas antes de ir embora, queria dividir com vocês que eu ganhei o desafio do blog da Mônica, do festival de champignon! Obaaaa! E ganhei este selinho aqui. Fofo né? Obrigada Mônica, adorei participar. Ahhh, e se você não conhece o blog dessa querida corre lá que você tá perdendo um monte de delícias que ela faz.


Beijos e bom final de semana.
Fla

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Comidas da moda...


Oi gente, tudo bem com vocês? Espero que sim.

Vocês já repararam como algumas comidas viram febre e de repente perdem um pouco do glamour? Quem aqui não se lembra do "boom" do tomate seco? Era chiquéééérrimo servir qualquer coisa que levasse o dito cujo, fora que o preço dele era bem assustador. Hoje em dia, apesar de ainda ser muito utilizado, ele deixou de ser "chique" e perdeu espaço para outros ingredientes.

Há pouco tempo atrás era o açaí que brilhava. Chegava a ser insuportável a quantidade de gente que de repente virou natureba e só comia açaí na tigela (geralmente repleto de leite condensado, que até onde eu sei de natural não tem nada). Eu que nunca gostei da tal da frutinha, passei longe dessa fase e pela minha cidade da para contar no dedo os estabelecimentos comerciais que sobreviveram a esta fase e ainda vendem o produto.

O ingrediente que virou febre um tempo atrás mas ainda resiste é a quinoa. Apesar de muita gente ter virado realmente adepta do consumo do grãozinho, não podemos nos esquecer de que a linhaça e a soja (que por sinal ninguém sabe se é mocinha ou vilã) também já tiveram seus dias de glória.

Quer outros exemplos de comidinhas consideradas "fora de moda"? Melão com presunto, barquinhas de maionese, cuscuz, banana split, salmão, etc..etc..etc.

A onda do momento? Cupcakes, kebabs, comida mexicana, brigadeiros de colher, alimentos orgânicos, entre outros.

Apesar de ser um fato, eu acho isso de uma bobagem imensa. Continuo comendo muito tomate seco, adoro melão com presunto, barquinha de maionese continua sendo luxo pra mim, salmão vai ser chique sempre e tudo que é novo a gente vai incorporando na nossa vida e alimentação.

E esse post todo pra falar de uma outra combinação que já foi chique e que continua reinando na minha mesa: rúcula com manga. Amo essa mistura de sabores, até porque rúcula é minha verdura predileta e manga minha fruta favorita.

Servida assim, temperadinha com vinagre balsâmico (porque afinal a gente é chique...kkkk), azeite extra virgem, sal, salpicada de pimenta calabresa e acompanhada de uma picanha feita no grill, arroz e farofinha... tem como não ser luxo puro?



Vou deixar esse tipo de preocupação para quem quer ser gourmet, eu só quero comer bem e o que eu gosto! =)

Beijos,
Fla.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Ervas e temperos


Duas leitoras do blog, a Ana Carla de Brasília/DF e a Juliana de Vitória/ES, me escreveram perguntando sobre ervas e temperos que costumo utilizar em casa. As duas são casadas a pouco tempo e querem saber um pouco mais sobre que ervas devem comprar para aproveitar e utilizar da forma correta.

A Juliana ainda contou uma história bem engraçada: "...quando resolvi utilizar curry pela primeira vez, achei que quanto mais colocasse mais amarelinho ficaria meu prato. Realmente, consegui o que queria, coloquei metade do pacote, mas só depois fui me tocar, quando ninguém conseguiu comer o prato que eu preparei, é que me confundi pois na realidade eu queria comprar açafrão e não curry, mas aí já viu né, os dois amarelinhos, a empolgação...e deu tudo errado...risos".

E para tentar ajudar tanto a Ana quanto a Juliana, fiz uma listinha de ervas e temperos que tenho em casa e vou explicar de forma bem simples para que fim podemos utilizá-las. Prontas para encher a cozinha de vocês com mais sabores e aromas???

1. Alecrim:

Costumo utilizar tanto fresco quanto o seco. Ervas frescas, se você tiver no quintal da sua casa sempre serão a melhor opção, no entanto eu moro em apartamento, e o cultivo se torna bem inviável já que não tenho espaço, por isso, sem problema algum, opto pelas secas e desidratadas.

Utilizo o alecrim para carne de gado, porco, peixe e também em preparações com batatas e mandioca. Não abuse da quantidade pois o mesmo possui um sabor marcante e forte.

2. Açafrão ou cúrcuma:

O açafrão original é extraído dos estigmas de uma variedade de flor da família das Iridáceas. É um dos temperos mais caros do mundo e portanto em algumas partes do país, bem difícil de ser encontrado.

Aqui no Brasil, utilizamos o açafrão-da-terra ou cúrcuma que é uma planta da família do gengibre, que também é a base para outro tempero, o curry. Costumo utilizar este tempero principalmente no preparo de risotos, frango e qualquer tipo de arroz.

3. Canela:

Apesar da bichinha me dar uma dor de cabeça danada, costumo utilizar em pratos doces como: arroz doce, bolos, tortas, chás, etc. Em casa sempre tenho em pau e em pó.

4. Chimi-Churri:

Tempero tradicional da Argentina que tem conquistado cada vez mais adeptos. É uma mistura de diversos temperos secos e desidratados como: salsinha, alho, tomilho, orégano, pimenta vermelha, pimenta do reino, pimentão, louro, mostarda e salsão. Toda esta mistura irá virar um molho se for acrescido de vinagre e azeite.

Costumo utilizar muito no preparo de carnes vermelhas, mas também deve ser consumido com moderação. Experimente fazer o molhinho e comer junto com um churrasco, fica uma delícia.

5. Colorau ou Colorífico:

Condimento preparado a base da semente do urucum, que é o fruto da árvore urucuzeiro. As sementes de tom bem avermelhado são muito utilizadas pelos índios para a pintura de seus corpos, bem como para tingir suas roupas.

Na culinária é utilizada basicamente para dar cor aos alimentos uma vez que não possui um sabor característico. Eu utilizo sempre no preparo de frangos. Como não suporto frango com cara de anêmico, uma colher de chá deste mágico temperinho, deixa o franguinho com uma cara mais saudável.

6. Cominho em pó:

Semente de origem asiática, mais facilmente encontrada na forma de pó. Muito utilizada em preparo de comidas baianas. De sabor forte e marcante deve ser utilizada com moderação. É amada por uns e odiada por outros.

Em casa utilizo tanto na preparação de carnes vermelhas para ensopados, assados e até mesmo em sopas e molhos. Experimente também colocar um pouquinho de cominho em um refogado de repolho, tenho certeza que irá amar.

7. Cravo da índia:

O que utilizamos como cravo, é na verdade o botão de uma flor nativa da Indonésia, porém já produzida em outros lugares do mundo.

Na preparação de caldos, o sabor do cravo faz toda a diferença, e por isso a dica de se espetar alguns cravinhos em cebola é ideal. Também faço uso em preparações de sobremesas como sagú e em bebidas como vinho quente e quentão.

8. Curry ou Caril:

É uma mistura de especiarias muito utilizada na culinária asiática. Composta dentro outros ingredientes por: açafrão, cardamomo, coentro, gengibre, noz-moscada, pimenta, cominho e canela.

Eu particularmente tenho adoração por curry e tem um sabor que me remete a infância. Um dos meus molhos prediletos para acompanhar um bom fondue é o feito a base de curry. Além desta preparação, utilizo para temperar frango e carnes vermelhas, em ensopados de legumes e também em arroz e risottos.

9. Erva-doce (em semente):

De sabor e aroma fortes, a erva-doce é muito comum na preparação de chás e bolos. Confesso que certa vez utilizei em uma receita salgada, que era feita com linguiça, porém ao meu paladar ficou bem esquisito.

10. Gengibre:

Apesar de não ser uma erva e sim uma raiz, eu o considero como um tempero e dos bons e também é muito utilizado na culinária asiática. Só não o utilizei ainda em molhos, de resto garanto que já preparei de todos os modos. Sopa em casa? Tem que ter gengibre. Frango assado? Sempre com gengibre. Confesso que até picadinho misturado com arroz e feijão fica uma delícia. E ele em conserva é simplesmente maravilhoso.

11. Lemon & Pepper:

Uma mistura de raspas de limão siciliano e haiti com pimenta do reino branca e preta, este é o lemon & pepper. Em casa utilizo muito desta mistura para o preparo de peixes, e por se tratar de um tempero com gosto forte de limão, apenas ele, azeite e sal já conferem ao seu prato um sabor único.

12. Louro:

Muito utilizado na medicina popular para males do estômago e cólicas menstruais, o louro é uma árvore de origem Mediterrânea, de folhas vistosas e muito perfumadas. Apesar de adorar o sabor do mesmo, confesso que ele em excesso também me confere uma grande dor de cabeça, por isso utilizo com muita parcimônia.

Não preciso nem dizer que o fresco tem um sabor muito mais acentuado que o seco, porém, como a duração dele não é muito grande, opto por sempre ter o seco em casa e utilizo principalmente no preparo de carnes de porco, feijão e arroz.

13. Manjericão:

Muito tradicional na culinária italiana, esta erva possui um aroma inigualável e um sabor bem acentuado que deve ser sempre utilizada na preparação de molhos. É um dos ingredientes base do famoso molho ao pesto, e para tanto é necessário utilizar as folhas in natura. Ele seco poderá ser utilizado também em pães, massas e carnes.

14. Noz-Moscada:

Na lista de top 10 dos ingredientes que não podem faltar na minha casa, a noz-moscada reina em absoluto. Não consigo imaginar molho branco e um purê de batata sem este delicioso e perfumado ingrediente. Mas tome cuidado, reza a lenda que ela em excesso pode ter efeitos alucinógenos. Não utilize mais do que 5 gramas por dia senão vai ficar doidona...hehehe.
15. Orégano:

É a mais comum das ervas utilizadas aqui no Brasil. Porque afinal, você imagina pizza sem orégano? Eu não imagino isso e muito mais. E além de ser deliciosa possui propriedades antioxidantes e antimicrobiana. Faço a utilização desta erva em diversos pratos: saladas, molhos, carnes, frangos, mas confesso que com peixe eu acho que fica bem estranho.

16. Páprica Picante:

É feito de pimentão que depois de seco é moído e se torna este condimento. O que diferencia a páprica picante da doce (eu gosto mais da picante por isso nem tenho da outra em casa), é uma substância chamada capsaicina, que varia de acordo com a qualidade do pimentão e que faz, quanto maior for sua concentração, mais ardor terá a páprica.

Gosto muito do sabor da páprica em ensopados e preparações com carne de porco. Além de ajudar na coloração de alimentos, uma vez que ela é vermelhinha.

17. Pimenta Calabresa:

A tradicional é feita a base de pimenta aji seca. Porém no Brasil a sua forma mais tradicional é a da pimenta dedo-de-moça. Eu sou doida por essa pimenta. Como não utilizo pimenta do reino (a não ser a do lemon & pepper) substituo utilizando por esta, e coloco em todo e qualquer prato. Ela é mais ardidinha que a do reino, então também deve ser usada com cuidado.

18. Pimenta Síria:

Também conhecido como Bahar. Mix dos seguintes condimentos: pimenta do reino preta e branca, pimenta da jamaica, canela, cravo e noz-moscada. Em qualquer preparação da culinária árabe, este tempero é imprescindível. Uso muito para temperar quibes, e depois que aprendi a utilizá-lo, não deixo de fazer nunca, porque o sabor do prato fica muito mais gostoso.

Bom pessoal, é isto. Uma pequena explicação do que tenho em casa e não deixo nunca acabar. Claro que existe muito mais por trás da história de cada uma destas maravilhas, mas procurei ser bem objetiva. A fonte das pesquisas foi a internet em diversos sites. Se você por ventura tiver alguma dúvida, é só me escrever ok? fla.artenacozinha@gmail.com.

Espero que o post tenha sido útil para a Juliana, para a Ana, bem como para todos os demais leitores deste humilde cantinho.
Peço desculpas pela ausência do blog de vocês, mas estou perto da entrega de algumas obrigações fiscais na empresa e isto está me tomando muito tempo. Em breve voltarei a ativa.

Beijos e até mais,
Fla.

sábado, 12 de junho de 2010

A todos vocês...

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Escondidinho de frango com espinafre


Eu não sei bem se este prato é quase um fricassé ou se é mesmo um escondidinho. Como fiz em camadas vou chamar assim mesmo tá? Risos. O que importa é que além de fácil de fazer, ficou muito saboroso e o meu testador de receitas oficial aprovou.

Se você, assim como eu, tem uma preguiça monstro de desfiar frango, pode cortar em cubinhos. Dessa vez a santa inspiração baixou e eu tive a paciência de desfiar, butttt, confesso que isso é quase um evento a ser comemorado.

Quer saber como faz? Vamos lá então. Receita para 2 pessoas que comem bem.

Ingredientes:

- 1 peito de frango
- 1/2 cebola
- 700 ml de água
- 1 col. chá de tempero pronto
- 1 cravo da índia
- 1 col. chá lemmon & pepper
- 1 col. chá de cominho em pó
- 2 dentes de alho laminados
- 1 col. sopa de azeite
- 4 batatas grandes
- 1 col. sopa de margarina
- 2 col. sopa de leite
- 2 col. sopa de caldo de frango
- 2 tomates sem semente picados
- 1 cebola pequena picada
- 1 xícara de espinafre cozido e picado (ou 4 bolinhas de espinafre congelado)
- 2 col. sopa de creme de ricota
- sal a gosto
- 1 col. café de noz moscada

Preparo:

1. Frango com espinafre

- Em uma panela coloque a água, o frango, 1/2 cebola, o tempero pronto, o cravo, o lemmon & pepper, o cominho e o alho. Deixe cozinhar por 30 minutos.
- Passado este tempo, retire o frango, deixe esfriar um pouco e reserve o caldo.
- Desfie o frango com a ajuda de um garfo ou de um processador. Reserve.
- Em outra panela aqueça o azeite, frite a cebola até que comece a dourar. Então coloque o frango desfiado e misture bem.
- Em seguida coloque o espinafre e deixe refogar por uns 5 minutos. Depois coloque os tomates e deie apurar por mais uns 3 minutos.
- Desligue o fogo e acrescente o creme de ricota. Misture bem, corrija o sal e reserve

2. Purê de batatas

- Cozinhe as batatas em água e sal. Depois de bem cozidas, escorra e reserve.
- Volte a panela no fogo, coloque 1 fio de azeite e coloque as batatas dentro da panela.
- Adicione a margarina e com as costas de uma colher de arroz vá amassando as batatas (ou utilize um amassador próprio para purês).
- Deixe que fique um purê consistente e com pequenos pedaços, não deixe completamente liso.
- Junte o leite, o caldo do frango e mexa bem.
- Coloque noz moscada e sal a gosto.

- Para a montagem, unte com um pouco de azeite uma forma, coloque metade do purê e espalhe bem. Despeje todo o frango e por cima o restante do purê.
- Coloque uma camada fina de mussarela ralada e leve para gratinar no forno.

Delícia né?! E fácil de fazer o que é melhor ainda.

Well, amanhã é dia dos namorados e eu não preparei um post específico para isto. Mas aqui no blog você vai encontrar muitas sugestões de pratos para incrementar um jantarzinho. Mas também vou deixar uma dica, pois a Lidi do Bicha Fêmea, fez um post repleto de dicas e sugestões para você enfeitar seu dia dos namorados, e quem também deu uns pitacos por lá???? Euzinha oras! Claro, dando sugestões de alguns pratos que você poderá preparar. Clique aqui e vá direto ao post e aproveite!

É isso gente.
Beijos,
Fla.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Dica e presentinho...

Você sabe o que é isso? Picolé? Geladinho? Não não e não. Errado. Isto é um delicioso caldo de frango feito de forma bem caseira, que será congelado para que eu possa utilizar em alguma receita posterior.

Aprendi a fazer isso com a minha irmã. Moça sabida. Que além de já ter feito caldo de carne para congelar desta forma, também prepara polpa de acerola e congela nestes saquinhos. Aliás, quem me deu estes que utilizei foi ela. Tks irmã.

E hoje, quando decidi utilizar frango em uma receita, pensei comigo, porque não fazer meu próprio caldo de frango? E o resultado foi muito bom.

Fiz assim, para 1 peito de frango coloquei 700 ml de água filtrada, 1 colher chá de tempero pronto (que minha mãe faz, mas você pode utilizar sal), 1 cravo da índia, 1 colher chá de lemmon & pepper, 1 col. chá de cominho, 1/2 cebola em pétalas e 2 dentes de alho fatiados.

Deixei o frango por cerca de 30 minutos no fogo, coei o caldo e deixei esfriar bem. Depois foi só preencher os saquinhos com o caldo e para isso utilize um funil que irá te ajudar bastante. Não coloque até o final senão você não vai conseguir dar um nózinho. Eu geralmente deixo uns 3 dedos faltando. Amarre bem e leve ao congelador.

Fácil não é? E bem mais saudável do que os industrializados, que quebram um galho é verdade, mas são bem gordurosos. =)

********************


E agora eu queria agradecer muito, mas muito mesmo uma pessoa super querida, a Soll do delicioso blog Soll Artes e Outras Coisas, que me enviou como prêmios de uma promoção no seu blog, todos estes mimos aqui da foto. Eu adorei tudo. A toalhinha já está decorando minha mesa de jantar, as peneirinhas me quebraram uma árvore porque a minha estava num estado deplorável e era muito grande, a caixinha de chá, um mimo, que já está na minha cozinha e o creme delicioso eu vou usar para fazer uma boa hidratação. Ah sim e as sementinhas de pimenta, eu vou providenciar um vasinho para poder plantar e quando elas brotarem eu vou tirar uma foto bem bonita.

Soll, muito obrigada viu. Carinho desse tipo não tem dinheiro no mundo que pague. Obrigada viu, e tenha certeza que todo dia que eu passar pela minha sala e pela minha cozinha, vou sempre lembrar de você. Obrigada!

*********************

É isso gente.
Até amanhã.
Bjs,
Fla.

Mix de frutas secas


Minha loucura por doces tem fases: de dia, de tarde e de noite... hahahaha. Brincadeira. Eu não sou tão louca por doces assim, prefiro os salgados, mas as vezes dá um desespero por alguma coisa docinha que eu quase como açúcar, e nessas horas muitas calorias são adquiridas, porque doce que é doce, tem que ter muito açúcar eeeee, várias calorias.

Por isso, resolvi investir neste mix de frutas secas, que além de não ser tãoooo calórico, é saudável, uma vez que sabemos que estas frutas fazem muito bem a nossa saúde e também porque tira a vontade de ingerir um docinho.

A primeira vez que comi este mix foi em uma loja que vende jóias aqui da minha cidade, um lugar super chique mas muito aconchegante, onde a gente se sente super a vontade e o papo é sempre tão bom que a gente perde um pouco a noção do tempo. Quando cheguei lá da primeira vez, ofereceram um delicioso bolo de maçã e também este mix de frutas, que me fora servido em um lindo pote de cristal.

Viciei naquilo, pegava de punhadinho e ia comendo. Tudo de bom mesmo. E foi aí que tive a ideia de reproduzir em casa para poder guardar e ter sempre por perto. O bom é que pode guardar bem fechadinho e deixar na geladeira que fica ainda mais gostoso. E claro, para comer com iogurte ou granola como minha mãe faz, também é uma delícia.

Para fazer esta quantidade da foto eu utilizei:

- 1 xícara de ameixas pretas secas sem caroço
- 1/2 xícara de uvas passas pretas sem caroço
- 1/2 xícara de uvas passas brancas sem caroço
- 1 xícara de nozes
- 1 xícara de castanha do pará
- 1 xícara de damasco secos
- 1 xícara de castanha de caju

Pique as ameixas em 2 metades. As nozes deixe algumas inteiras e outras partidas. A castanha do pará pique na metade. Os damascos pique em 4 pedaços (eles vem em rodelas) e a castanha de caju faça como as nozes, algumas inteiras e outras picadas.

Misture todos os ingredientes muito bem. Armazene em um recipiete bem fechado e depois de 1 semana se não tiver consumido tudo, guarde em geladeira por mais 1 semana.

Alguns destes ingredientes como as castanhas são um pouco mais caras, então você pode reduzir as quantidades ou até não colocar os ingredientes. Varie um pouco também as opções, coloque ameixa uma vez, na outra não coloque damasco, e vá fazendo assim para não enjoar.

Delícia né? Só não vá abusar das quantidades, porque essas frutas fazem bem pra saúde mas podem ficar bem calóricas se você exagerar.

Beijos e lindo dia pra vocês.
Fla.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Em busca do peixe no papilote perfeito...


Isso está de verdade virando uma saga...risos. Eu queria porque queria, reproduzir a receita do Jamie Oliver na integra, com os legumes todos coloridinhos e bonitinhos, por isso fui toda serelepe para a cozinha preparar mais um peixinho saudável.

Primeiro selecionei os legumes, eu pra variar não tinha muitas opções, então resolvi usar o que eu achei na geladeira: ervilha torta, mandioquinha, cenoura baby (que tinha congelada), cebola e alho.

O peixe que utilizei desta vez foi um que eu nunca havia provado o congrio rosa. Achei super leve, sem aquele cheiro forte de peixe, e uma carne bem suave. Gostei muito. Mas apesar de ter adorado o sabor, o preço ficou bemmm a desejar, um peixe limpo, com 2 filés grandes (que me renderam 4 quando cheguei em casa), R$ 26,00, ou seja, muito caro comparado a outros peixes.

Bom, mas vamos a preparação certo?

O esquema aqui é temperar tudo antes. Peguei cada tipo legume e coloquei numa tigelinha separada. Em cada um temperei usando algo diferente: as ervilhas com limão, sal e pimenta calabresa. A mandioquinha com azeite, sal e noz moscada. As cenouras com azeite e tempero caseiro da minha mãe. As cebolas e o alho com azeite, sal e lemmon & pepper. Reservei por 15 minutos.

O peixe eu temperei utilizando sal, azeite, lemmon & pepper e suco de 1 limão rosa. Deixei tomando gosto por 15 minutos também.

Depois foi só colocar dentro do papel alumínio primeiro as ervilhas, depois a mandioquinha, em seguida a cenoura, depois a cebola e o alho e por último 2 filés de peixe. Reguei com mais azeite que é bom e a gente gosta, fechei o papilote e levei ao forno por 30 minutos em forno médio/baixo. Fiz dois papilotes iguais a este da foto (antes de assar estava assim).


Os legumes ficaram al dente. Se você gosta mais cozidinho, deixe mais tempo. Quanto as quantidades, faça conforme você tiver em casa, certo, e varie as opções de legumes. É prático rápido, gostoso e bem saudável. Ah sim, e se você é vegetariano, que tal fazer uma versão apenas com legumes? Ixi gente, bem temparadinho fica tudo de bom!

Para acompanhar fiz um arroz de espinafre que depois de pronto misturei algumas colheres de creme de ricota para ficar cremoso.

É isso gente.
Beijos procês e boa semana.
Fla.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Toalhinha de Crochê


Pois então, diz minha mãe que eu sou uma mulher de princípios: principio tudo e não termino nada...hehehehe. E eu tenho que concordar, porque como uma boa sagitariana que sou, eu me canso das coisas (e algumas vezes de pessoas também) muito facilmente. Eu sou assim, amo numa semana, odeio na outra...risos.

E por isso de vez em quando me dá a louca e eu saio fazendo tricô aos montes. Duas semanas depois eu não quero mais ver agulhas na minha frente e aí pego umas caixinhas com a minha mãe para pintar. Nunca terminei nenhuma...hahaha. Devolvo para ela terminar pra mim.

Dessa vez minha vontade foi de fazer um colete de tricô para mim. Como minha sogra não é a D. Lídia (hehehehe) que faz coisas lindas de tricô para minha irmã, eu resolvi tentar fazer um colete parecido com a da Fer, porém meus conhecimentos são limitadíssimos neste quesito, e depois de uma busca na internet junto com a minha mãe, eis que encontramos um modelo aparentemente "fácil".

Fui alegre e saltitante para a casa e já comecei a fazer. Quando terminei o primeiro quadrado tomei um susto. O bicho ficou um triângulo...hahaha, o que era pra ser um "quadrado perfeito" virou um "triângulo imperfeito".

Óbvio que eu já larguei mão do tricô tamanha minha revolta. Então resolvi buscar minhas agulhas de crochê (minhas não, da minha mãe...hehehe) para terminar uma toalhinha que eu havia começado para ela ano passado...risos. Terminei, ficou bonitinha até e aí eu me empolguei e agora estou fazendo um conjunto de porta copos para minha irmã.

É pessoal, eu sou assim, esse é meu jeitinho...risos. A toalhinha ficou bem legalzinha, tirando os remendos que eu fiz atrás né manhêêêêêê?

Quando terminar minha outra arte eu mostro aqui pra vocês. Ai que orgulho de mim! Risos.

Beijos e bom feriado pra quem está descansando, porque eu estou trabalhando normalmente.
Fla.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Costelinha com lemmon & pepper


Há dias eu estava matutando o que fazer com uma peça de costelinha que eu tinha no freezer. E ontem, cheguei em casa e já fui pra cozinha adiantar o jantar, e deixar a carne marinando um pouco, porque como eu disse ontem, o tempo é curto.

Abri meu armário e as opções de temperos eram bem poucas, legumes então, quase extintos...rs. E aí, já viu, dá-lhe imaginação para tentar fazer algo bacana diante das poucas possibilidades que restavam.

Depois de 1 hora no forno eu achei que ia matar meus vizinhos com aquele cheiro delicioso que saia do forno. Sério, nem eu estava aguentando de vontade de provar...rs. Tanto é que meu marido ligou e eu disse pra ele correr pra casa porque não estava aguentando de fome...rs.

Para acompanhar fiz lentilha (que já cozinho a mais para poder congelar), um arroz branquinho e uma faforinha de couve. Tem coisa melhor? Para mim não. =)

Ingredientes:

- 1 costelinha de porco de +/- 1 kg
- suco de 2 limões rosa
- 1 col. sopa de lemmon & pepper
- 2 col. sopa de shoyo
- 2 col. sopa de vinagre balsâmico
- 1 dente de alho amassado
- 1/2 col. sopa de tempero pronto ou sal a gosto
- 1 col. sopa de azeite

Preparo:

- Em uma vasilha grande coloque a peça de carne, o suco dos limões e os demais ingredientes. Passe bem em toda a carne e deixe descansar por no mínimo 30 minutos. (Quanto mais tempo deixar, mais gostoso fica).
- Coloque a carne com o caldo da marinada em uma assadeira, cubra com alumínio e leve para assar por 2 horas em fogo a 180 graus. Vire a carne a cada 30 minutos, regando sempre com o caldo da assadeira para não deixar muito seco.
- Nos últimos 30 minutos, retire o papel alumínio e deixe corar em fogo médio 15 minutos de cada lado.

A farofinha de couve eu fiz com uma couve que já tinha refogada e que minha mãe tinha mandado pra mim no domingo. Só aqueci uma boa colher de sopa de margarina, fritei 1 cebola, coloquei a couve já refogada, soltei com uma garfo, acrescentei 1/2 lata de ervilha e juntei farinha de milho flocada.

Simples assim. Sou tão feliz quando consigo elaborar um prato sem ter que sair de casa pra comprar mais nada...hehehe. E olha, podem abusar do lemmon & pepper que não fica ardido e o sabor que dá na carne é sensacional. Se não tiver esse tempero, utilize casca de limão ralada (ele é feito com limão normal e o siciliano) e muita pimenta do reino preta e branca moída na hora.

É isso gente.
Amanhã vou mostrar pra vocês o que eu ando aprontando fora da cozinha. =)

Beijos e boa quarta.
Fla.

terça-feira, 1 de junho de 2010

Tiras de mignon ao molho madeira


Acho engraçada a impressão que algumas pessoas tem sobre mim no que diz respeito a culinária, achando principalmente que minha cozinha é um laboratório e que eu faço pratos especiais todos os dias, que passo horas e horas na cozinha, etc...

Gente, isso realmente não é algo que aconteça em casa. Gosto sim de cozinhar, mas não sou escrava da cozinha não viu. Se Amélia é que era a mulher de verdade, a Flazinha aqui tá bem longe de ser...risos. Claro que eu adoro fazer pratos diferentes, testar receitas e tal, mas isso nos finais de semana, porque no decorrer dela, pensando nas minhas 3 horas para arrumar casa, preparar o jantar e fazer outras tarefas, eu preciso mesmo é de facilidade.

Não tenho problema nenhum em recorrer a certos produtos industrializados, desde que claro eu saiba da qualidade do mesmo, porque depois de um dia de trabalho eu me nego a ir pra cozinha preparar um molho de tomate fresquinho. Sorry, mas pra mim não rola. Por isso escolho no mercado opções mais naturais possíveis e que quebrem meu galho.

No caso desta carninha aqui, eu já havia deixado uns pedaços de mignon picados no freezer, tudo para facilitar minha vida, por isso foi só deixar descongelando e depois preparar o prato que ficou pronto em 15 minutos, o tempo exato que também ficou pronto meu macarrão servidinho com molho da vó Nena (receita já postada). E voilá, refeição instantânea e sim, de muita qualidade.

Quer ver que fácil? Olha só.

Ingredientes:

- 400 gr. de mignon em tiras
- 1 xícara de cogumelos
- 1/2 xícara de molho shoyo
- 1/2 cebola fatiada
- 1 vidro de molho de madeira pronto (uso o da MasterFoods)
- 1 col. sobremesa de margarina
- 1 col. chá de azeite
- Pimenta a gosto

Preparo:

- Tempere a carne com o shoyo e a pimenta. Se tiver tempo reserve, caso contrário pode utilizar no mesmo momento que o sabor ficará bom também.
- Em uma panela aqueça a margarina e o azeite e frite bem a carne.
- Quando estiver com uma caramelada por causa do shoyo, e bem frita, coloque a cebola e deixe no fogo até que fique levemente transparente.
- Adicione o molho madeira e deixe ferver por uns 5 minutos.
- Coloque o champignon, misture, corrija o sal se necessário e está pronto.

Claro que se você tiver tempo de fazer o seu próprio molho madeira, vai fundo colega, fica sensacional, caso contrário não se prive de comer esta delícia certo? Liberdade amigasssss.... liberdade! Risos...

Beijos e ótima terça.
Fla.